Retorna

BODE IOIO

Bode Ioi˘ - Popularíssimo por volta de 1920, o bode Ioiô era um mestiço que carregava forte predominância da raça parda alpina, introduzida no Ceará pelos colonizadores. Em 1915 foi vendido por um retirante sertanejo para a Rossbach Brazil Company, empresa inglesa instalada na Praia de Iracema.
Diariamente se dirigia à Praça do Ferreira, na época centro cultural da cidade, onde funcionava os principais cafés como o Java, onde nasceu, em 1892, o movimento literário mais importante de nossa terra, a Padaria Espiritual. Dizem que o primeiro contato de Ioiô com os artistas que frequentavam o local pode ter sido feito com Raimundo Cela que de cara simpatizou com o animal. O certo é que, nessas andanças, tornou-se conhecido e querido por todos.
Amigo dos boêmios e escritores de Fortaleza, muitas histórias são contadas sobre o bode que bebia cachaça e tinha preferência pelas moças. Informações sobre ele constam em livros de memorialistas cearenses do porte de Otacílio de Azevedo, Raimundo Girão e Raimundo Menezes. Daí ter sido embalsamado e doado ao Museu Histórico e Antropológico do Ceará em 1931.
Sua história serviu de argumento para o filme "Um bode chamado Ioiô", de Luiz Edgard Cartaxo Arruda, que nunca chegou a ser rodado. No filme, Ioiô ajuda a derrubar a oligarquia da família Aciolly.
Ioiô participou de atos políticos em coretos, praças e saraus literários, comeu a fita inaugural do Cine Moderno, assistiu peça no Theatro José de Alencar, passeou de bonde, perambulou pelas igrejas e até pela Câmara Municipal.
Segundo Raimundo Girão, autor do livro "Geografia da Estética Cearense", o bode Ioiô era um cidadão como outro qualquer.